Água: Economizar para não faltar

Tom Standage, no seu interessantíssimo livro História do Mundo em 6 copos,  explica que a sede é mais mortal que a fome: Privado de alimentação, o corpo humano sobrevive até duas semanas; sem água, seria sorte sobreviver mais de três dias. Por tal motivo, os primeiros grupos humanos, essencialmente nômades, circulavam sempre perto de rios, correntes e lagos a fim de garantir um suprimento adequado de água fresca. E essa disponibilidade foi o que determinou o progresso da humanidade.

Hoje, agrupados em grandes e complexas aglomerações, estamos completamente desligados da origem e da procedência da água que utilizamos – já que há estruturas governamentais responsáveis especificamente por tratá-la e levá-la até nossa casa.

Dessa forma, mesmo quando o sistema de abastecimento dá sinais de falência há mais de 10 anos – como no caso da crise que assolou a cidade de São Paulo recentemente – continuamos a minar nossa fonte de água: desperdiçando, poluindo os rios e desmatando áreas verdes (que mantêm certa quantidade de água circulando através da evapotranspiração), impermeabilizando o solo, etc. Isso inclui também as empresas – especialmente do agronegócio, responsáveis pelo consumo de 70% da água.

A Organização das Nações Unidas (ONU) estima ainda que nos próximos 25 anos, dois em cada três habitantes do planeta vão enfrentar problemas no abastecimento de água limpa, por causa do grande crescimento populacional (inchaço nas grandes cidades), das mudanças climáticas e do desperdício.

Mesmo em Teresina, cidade cercada por dois rios, eventualmente ocorrem falhas no sistema de abastecimento e comprovamos, a duras penas, como é difícil ficar sem água. A nós, fica a missão de aprender a valorizar esse líquido tão indispensável. Confira abaixo, dicas para economizar e aproveitar melhor esse recurso no seu condomínio:

Inspecionar regularmente o encanamento – A vistoria com uma certa frequência (em média, a cada 6 meses) das torneiras, válvulas e canos do prédio pode identificar vazamentos, evitando desperdício de água e prejuízos maiores.

Individualização dos Hidrômetros – Com o sistema tradicional, de hidrômetro único, mesmo quem  economiza poderá arcar com os desperdícios dos vizinhos. Além disso, fica difícil saber qual apartamento é responsável pelo consumo excessivo. É um investimento que dá retorno em pouco tempo, graças à economia.

hidrometro1
Individualização do hidrômetro auxilia na economia de água 

Instalação de sistema de coleta de água da chuva – Alternativa concreta para uso em vasos sanitários, irrigação de jardins, as cisternas coletoras podem ser facilmente implementadas nos condomínios. Consulte o engenheiro ou arquiteto do prédio.

Conscientização dos moradores – A conscientização é sempre um passo muito importante. O condomínio pode investir em cartazes no mural com dicas de economia, que instrua os moradores a consertar o mais rápido possível torneiras pingando, desligar a torneira enquanto escova-se os dentes, não lavar a calçada com a mangueira ligada e aproveitar a água da chuva para este fim.