Bicicletário: Solução para bikes no condomínio e estimulo à vida sustentável

A inclusão do ciclista na paisagem urbana é sinônimo de melhoria da qualidade de vida de todos os habitantes. Quando um indivíduo opta por se locomover de bicicleta, isso, corresponde a um carro a menos na rua ou a um usuário a menos no transporte público – geralmente lotado.

Mais que um carro a menos, ciclistas representam um modelo de vida sustentável. O uso de bicicletas não exige o emprego de combustíveis não renováveis e poluentes (como a gasolina e o diesel), ameniza o problema de vagas nos estacionamentos e nas ruas e o usuário além de fazer exercícios físicos, tem mais liberdade para vivenciar a cidade – parar durante o trajeto e aproveitar praças e restaurantes, por exemplo; tarefa que seria quase impossível de carro.

Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), apenas 23% e 5,5% das pessoas que vivem nas capitais brasileiras circulam de carro e moto, respectivamente, entretanto, os investimentos direcionados para esse público (rodovias) tomam a maior parte do orçamento, comprometendo segmentos alternativos. Esse é um dos motivos pelo qual não se tem muitas ciclovias, passeios e transporte público de qualidade.

Outro problema que compromete o uso das bicicletas é a falta de segurança. Nas ruas, poucos estabelecimentos disponibilizam um lugar reservado para trancá-las. Até mesmo onde reside, o ciclista pode encontrar desafios para usar e bem guardar seu transporte.

É comum que condomínios tenham estacionamentos para carros, mas não tenham um bicicletário. Frequentemente, o lugar utilizado nos condomínios para guardar as chamadas “magrelas” é improvisado e inadequado – como os depósitos de gás.

É de importância extrema que os condomínios busquem soluções para abrigá-las. Uma reunião com os moradores para opinar sobre o tema é uma opção válida. Afinal, é dever dos edifícios zelar pela segurança dos objetos pertencentes aos moradores. Se houverem ciclistas no edifício, cabe ao síndico orientar os condôminos e buscar soluções.

Nos edifícios comerciais – pólos geradores de tráfego, a situação é semelhante. Embora seja um dever de toda a sociedade – incluindo a iniciativa privada – promover o uso de mobilidade sustentável em geral, é muito difícil encontrar estabelecimentos que dispõem de um espaço para estacionar veículos que não sejam carros.

Bicicletários eficientes, seguros, que protejam as bicicletas do sol e chuva e que não as danifiquem são uma demonstração de respeito aos ciclistas e uma forma de incentivo ao uso da bicicleta como meio de transporte e à cidadania.

Implantar um bicicletário no condomínio, em especial nos condomínios maiores e abertos (onde se tem um menor controle nos estacionamentos e em relação aos objetos pessoais guardados nas áreas comuns) pode evitar futuros transtornos, como a utilização incorreta de outros espaços para guardar as bicicletas e pode substancialmente fazer a diferença para quem utiliza esse meio de transporte.