Comunicação e conscientização são fundamentais para implantação de coleta seletiva em condomínios

A boa gestão dos resíduos que geramos exerce papel importante na preservação do meio ambiente e no desenvolvimento da consciência socioambiental de cada indivíduo. Papel, plástico, vidros, latinhas e outros materiais que antes não tinham uso, são cada vez mais reaproveitados por meio do conceito de coleta seletiva.

A prática dessa atividade foi intensificada pela Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que interfere no manejo inadequado dos resíduos, por meio de hábitos de consumo sustentáveis e redução da geração desses resíduos. A lei também funciona como um incentivo da reciclagem e da reutilização dos resíduos.

Na coleta seletiva, os materiais são separados em lixeiras identificadas pela cor e pelo tipo de material que cada uma pode receber. O vermelho para plástico, o verde para vidro, o azul para papel e o amarelo para metais.

Em condomínios, a coleta seletiva pode ser implantada com um plano de ação que facilitará o entendimento de todos sobre as regras desse sistema, além de um grupo responsável pelo andamento dos itens pontuados no plano.

A comunicação e a conscientização são os primeiros passos para que a coleta seletiva funcione com eficácia. Em assembleias ou reuniões com os condôminos, a coleta seletiva deve ser discutida para que a opinião de todos seja ouvida e que aspectos como local e condições adequadas sejam analisados.

Utilizar todos os canais de comunicação para atingir os diferentes públicos dentro do condomínio permitirá que todas as etapas de implementação da coleta seletiva sejam informadas aos moradores e funcionários.

Sacos de lixo com cores diferenciadas podem ser distribuídos para que os condôminos não se confundam na separação dos materiais, publicações com orientações e sugestões devem ser espalhadas pelo condomínio e a equipe deve estar treinada para sanar as dúvidas que surgirem no decorrer do processo.

A continuidade do plano de ação deve ser informada aos condôminos para que eles percebam os efeitos da coleta seletiva e se sintam motivados a continuar selecionando os resíduos produzidos.