Queda de crianças de prédios causa mais de 33 mortes por ano no Brasil

A morte do menino Gustavo dos Santos Storto, de 5 anos, após cair da janela do banheiro do apartamento onde morava, no 26º andar de um edifício residencial em Taboão da Serra, na Grande São Paulo, ressaltou a importância dos pais redobrarem os cuidados para evitar acidentes com crianças dentro de casa. Segundo dados do Ministério da Saúde, o país registra, por ano, mais de 33 mortes de crianças por quedas de edifícios.

De acordo com o Datasus, sistema de tabulação de dados de óbitos e outras ocorrências, de 1996, primeiro ano de dados disponíveis, a 2013, com os dados mais recentes, 607 crianças de zero a 14 anos morreram por “queda de ou para fora de edifícios ou outras estruturas”, o que dá uma média de 33,7 mortes por ano.

O número de internações hospitalares também é alto. Em 2014, foram internadas 567 crianças por quedas de edifícios. Em 2013, o número foi maior, de 753, segundo o Datasus.

Número de mortes de crianças de 0 a 14 anos por queda de edifícios no Brasil
Ano 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004
Óbitos 6 11 19 30 30 51 32 41 41
Ano 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013
Óbitos 36 57 46 45 39 33 27 26 34
Fonte: Datasus/Ministério da Saúde

Segundo investigação da polícia, o menino Gustavo caiu quando a mãe dele tinha saído do apartamento para buscar o namorado em uma estação de trem. A criança acordou, teria colocado tênis e mochila escolar, instalado duas cadeiras no box do banheiro e alcançado a janela, de onde caiu.

Câmeras de segurança do prédio  mostram que a mãe não estava no apartamento no momento da queda do filho, segundo a Polícia Civil, que descarta que a criança tenha sido jogada. As investigações indicam que a morte foi acidental.

A diretora da ONG Criança Segura, Gabriela de Freitas, destaca que os adultos não devem nunca deixar uma criança sozinha em casa. “Ela não tem noção do que é perigoso, do risco, das consequência dos riscos. Não dá para contar que a criança jamais vá fazer alguma coisa perigosa”, destaca.

Mesmo em situações rápidas, como no caso de ir buscar uma pizza na portaria do prédio, os pais devem ser precavidos. “É preciso tentar rastrear tudo que a criança pode fazer e adaptar e proteger o ambiente para que ele seja sempre seguro. É bom deixar a casa bem preparada de maneira que se o filho acordar e perceber que está sozinho, não tem como ele se machucar.”

Quem tem criança em apartamento coloca redes de proteção nas janelas e varandas. Mas nem sempre isso é possível. Janelas basculantes e banheiros, cozinha e área de serviço não permitem a instalação das telas. “Banheiro em geral não se coloca tela porque a abertura é reduzida, dependendo do tamanho da criança nem passa”, destaca Gabriela. No caso da morte do menino Gustavo, o modelo da janela era maior. “Teria de ter uma tela ou, a mãe jamais deixar o menino sozinho.”

A ONG Criança Segura destaca outros tipos de acidentes com crianças em casa como quedas de escadas, intoxicação com produto de limpeza, higiene pessoal, queimaduras na cozinha e sufocamento por objetos pequenos que obstruam as vias aéreas.

Fonte: Portal G1