Risco disfarçado – Sinalização fora do lugar

A maior parte dos prédios – tanto os comerciais, quanto residenciais – passa regularmente por obras de ampliação ou reformas, o que é imprescindível para a melhoria e manutenção correta dos espaços. O problema acontece quando por descuido ou esquecimento, a sinalização antiga é mantida no novo espaço.

A sinalização no condomínio é sinônimo de segurança, pois informa os moradores a respeito das rotas de fuga, no caso de incêndio; esclarece os mesmos a respeito das instalações – para que servem, quando devem ser utilizadas e qual é a forma correta de uso; além de instruí-los sobre a legislação do prédio.

Nos ambientes internos, a falta de placas (ou placas em lugares inadequados) pode confundir os moradores e ainda mais os visitantes, que podem não estar acostumados ao lugar. A situação se excede ainda mais quando crianças estão envolvidas, pois estas podem adentrar em depósitos ou outros lugares que não são propícios.

Não é incomum que durante a reforma da garagem do condomínio ou estacionamento do prédio comercial haja uma mudança de sentido nas vias, sem que seja alterada a sinalização horizontal (geralmente delimitada por faixas brancas e amarelas no chão) ou ainda a vertical (representada por placas). Nesses casos, a gravidade é ainda maior, já que qualquer erro ou confusão pode causar um acidente automobilístico.

Se há uma obra no recinto, o síndico deve instruir os funcionários do condomínio para que estejam sempre atentos ao andamento da mesma. Dessa forma, quaisquer irregularidades encontradas poderão ser averiguadas e corrigidas imediatamente pelos responsáveis.

As placas sinalizadoras devem ser instaladas em locais de fácil visualização e em altura adequada para o público – geralmente recomenda-se a fixação destas na altura dos olhos. Placas direcionadas para crianças, por exemplo, devem ser colocadas em uma altura mais baixa.

Em relação aos elevadores, a recomendação é que uma placa única seja fixada com múltiplas informações: proibição do fumo, limite permitido de passageiros e advertências sobre crianças desacompanhadas. Assim, evita-se a poluição visual causada por um número excessivo de placas sinalizadoras.

Por fim, é válido ainda ressaltar que todas as placas colocadas na via pública – no entorno do edifício -, só podem ser fixadas se houver permissão legal do departamento responsável pelo trânsito.